ENCONTRO COM A CLÍNICA DO AUTISMO

No Encontro com a Clínica do Autismo, em 2017, seguimos nossa investigação sobre o circuito pulsional no autismo. A partir da função do sintoma e suas construções, destacamos a relação com instituições e parceiros para interrogar as modalidades de laços que podem se desenvolver sob transferência.

Buscamos verificar a maneira que os autistas encontram para tratar o impacto do significante sobre o corpo, através da apresentação dos casos clínicos trazidos pelos participantes. Além disso, quais são os recursos que cada autista inventa para tratar esses efeitos e como o psicanalista pode intervir na instituição de maneira que possa ser criado, para cada sujeito, um circuito próprio que sirva de apoio para sua construção.

Assim, através de uma equipe multidisciplinar, é possível encontrar parcerias entre  profissionais, pais e instituição para acolher esses sujeitos.
Trabalhamos o texto de Daniel Roy, "O que nos ensinam as crianças autistas", que nos aponta como a “presença discreta” de um acompanhamento à “boa distância” pode tratar o retorno do significante no real.

Em 2018, continuaremos o trabalho a partir da conferência de Jean-Claude Maleval, “Da estrutura autística”, e das novas referências conceituais trazidas por ele sobre a estrutura do autismo e as modalidades de acolhê-las pela psicanálise. A questão sobre a aquisição da linguagem e as diferenças entre estar na linguagem e a fala, extraída de um caso clínico apresentado no final do ano, servirá de ponto de partida para aprofundarmos as referências teóricas contidas no texto.

 

Coordenação:
Paula Borsoi
Maria do Rosário Collier do Rêgo Barros

Com a participação de:
Anna Luiza de Almeida e Silva
Francisca Menta
Maria Antunes Tavares