PSICANÁLISE E MEDICINA

Coordenação: Adriano Aguiar e Rodrigo Lyra
Periodicidade e horário: primeiras e terceiras terças-feiras do mês, às 20h30
Início: 07 de Agosto

O real no virtual: a psicanálise e a era das novas tecnologias

Nossa forma de buscar ou receber informação, de se relacionar com amigos e amores, de trabalhar, de construir nossa própria identidade e, enfim, de viver a vida é, cada vez mais, permeada pelas telas dos computadores e smartphones. Fãs e detratores da internet concordam, ao menos, que aspectos cruciais da experiência humana estão sendo profundamente modificados por nossas experiências virtuais.

Na medicina, intensificam-se os debates sobre as novas tecnologias. A nomophobia (ansiedade pela ausência do celular) é considerada uma epidemia; as classificações de transtornos mentais (CID-11 e DSM V) incluíram, pela primeira vez, uma adição diretamente relacionada à tecnologia, o Internet Gaming Disorder; a Dependência da Internet já vem sendo tratada como um problema de saúde pública em muitos países.

Atenta à subjetividade de sua época, a psicanálise reconhece que o falasser encontra novas formas de viver a sexualidade, que o estatuto do saber e da transferência se alteram radicalmente, que a constituição do corpo é reinventada por experiências virtuais, que os algoritmos têm efeitos determinantes no laço social, nos movimentos identitários e nas novas formas da segregação.

Ao longo do segundo semestre, o Núcleo pesquisará os impactos clínicos e teóricos da era digital para a psicanálise.