TOXICOMANIAS E ALCOOLISMO (TyA-Rio)

Coordenação: Ana Martha Wilson Maia e Selma Pau Brasil
Periodicidade e horário: Primeiras e terceiras terças-feiras do mês, às 19h30
Início: 07 de março

Que função a droga desempenha para o ser falante, na solidão de seu gozo e com seu modo de estar nela, intoxicado?
Esta questão norteou o trabalho apresentado no II Encontro TyA-Brasil sobre o destino que o toximômano deu a seu gozo, na solidão do Um. Uma vinheta clínica mostrou que há no caso diminuição do consumo quando há laço embora, por outro lado, o álcool sirva para velar o impossível na relação com uma mulher. E em uma segunda vinheta que trata de uma solidão mais extrema, semelhante à dor de existir, o amor apareceu em uma dimensão de completude que permite a articulação: se há laço, é possível prescindir da cocaína.
Assim, em 2017.1, o Núcleo retomará a questão do amor e do gozo, e a pesquisa prosseguirá do parceiro-sintoma ao analista como sinthoma, visando a relação do corpo falante com as toxicomanias e alcoolismos.

Bibliografia inicial:
MILLER, J-A. El partenaire-síntoma. Buenos Aires: Paidós. 2008.
Pharmakon Online, vol 2. Especificidade da Toxicomania. Rede TyA do Campo Freudiano. Novembro/2016.
ZAPATA, Eugenia Flórez. Usos del cuerpo en las toxicomanías en la época del parlêtre - un ejercicio epistémico. Buenos Aires: Grama Ediciones. 2016.