O trabalho clínico, epistêmico e político do ICP

Maria do Rosário Collier do Rêgo Barros
Diretora Geral


O trabalho clínico, epistêmico e político do ICP no ensino da psicanálise se apoia em sua vocação de pesquisa. A pesquisa entrelaça essas três dimensões e oferece aos alunos, aos associados e aos participantes dos Núcleos diferentes espaços para sua formação permanente, como também a ocasião de descobrir maneiras de estar presente no social, atentos às diferentes formas de segregação oriundas dos impasses próprios de nossa época. Assim, a cada vez, podemos descobrir o uso possível de nossos instrumentos para evitar que os processos segregativos a serviço da pulsão de morte produzam efeitos desastrosos, como previa Lacan em seu texto “Alocução sobre as psicoses da criança” .

A pesquisa em psicanálise necessita de uma casuística recolhida do atendimento oferecido por um psicanalista (e pelos clínicos que se orientam pela psicanálise) e acompanhada em supervisão em cada um de seus diferentes momentos, desde o acolhimento até sua conclusão, passando pelo cálculo das intervenções (interpretação, ato, manobra na transferência) e a disponibilidade à contingência.

A cada ano precisamos pensar como renovar esses espaços e transmitir suas elaborações. Os cursos oferecidos pelo ICP buscam oferecer os instrumentos conceituais para esse trabalho de pesquisa. A cada encontro com um paciente renovamos nossa aposta no sintoma, que se apresenta de diferentes maneiras ao longo da experiência, desde localizar os significantes nos quais o gozo está fixado, até levar o sujeito a interrogá-los e produzir novas formas de arranjos sinthomáticos.

Em setembro, os Institutos do Campo Freudiano na América Latina se reunirão em Buenos Aires, no VIII ENAPOL, sobre o tema “Assuntos de família, seus enredos na prática” – o que nos convida mais uma vez a verificar os efeitos do declínio do pai, não só nas novas formas de constituição e organização das famílias, mas também na prática da psicanálise. Estar atento à dimensão da singularidade requer uma prática sem standards, mas não sem princípios, não sem uma orientação, que é o que buscamos transmitir no ICP.

As famílias mudam, mas os analisantes continuam a falar dos pais e a interrogar as condições de seus nascimentos e a trama dos laços familiares que os antecederam.

Quando Lacan aponta para o fato de que nascemos do mal-entendido de nossos ascendentes, ele oferece um ponto de abertura que permite a separação do peso dos enredos familiares, que transformam em necessários os efeitos dos acontecimentos contingentes que marcaram nossas vidas.

Ao apreender a dimensão de mal-entendido nos enredos que alimentaram suas construções fantasmáticas e seus sintomas, cada um terá a chance de se reconectar com suas marcas singulares, que servirão de apoio para seu estilo de vida orientado pelo seu sinthoma.

Articular mal-entendido e sinthoma serve também de bússola para nos orientarmos em relação às novas parcerias amorosas e aos novos arranjos familiares.