SEMINÁRIO DE ORIENTAÇÃO LACANIANA

O que há após o último?

O Seminário de Orientação Lacaniana deste ano - que começará na próxima segunda-feira, 24 de fevereiro, e cuja coordenação me foi mais uma vez confiada por Maria Silvia Hanna, diretora da EBP-Rio - utilizará como texto o Curso de Jacques-Alain Miller de 2006-2007, traduzido em espanhol (não há ainda uma tradução em português) com o título de “El ultimísimo Lacan”.

A passagem para esse tempo, o ultimíssimo, se dá como um salto, e não como uma evolução. Os próprios itálicos usados para escrevê-lo já indicam uma dificuldade em qualificá-lo positivamente, e até em traduzir a expressão francesa le tout dernier, sintetizada na época por Jacques-Alain Miller com a sigla TDL.

Esse salto vai do inconsciente como equivalente à história para o real extratempo, fora das leis da linguagem e do jogo intersubjetivo. Miller apresenta assim a questão:

“Há um tempo que tem que ser situado do lado da história. Trata-se do tempo não somente lógico, como também do que se vive na continuidade da existência, o tempo contínuo. Do outro lado, do lado do real, há um extratempo, o próprio tempo da interrupção do fluxo temporal” (p. 49).

https://mail.google.com/mail/u/0/images/cleardot.gif
Isso implica uma ruptura na relação – de analogia, segundo Miller – que a situação analítica mantém com a história e com a continuidade, e um aumento da importância que passa a ter a contingência. Se o tempo perde a continuidade, ou seja, se já não se pode representá-lo pela imagem de uma flecha que vai do passado ao futuro passando pelo presente, é, portanto, a base da prática analítica que está em questão.

Na própria maneira de produzir a sua teoria do inconsciente, Lacan impõe uma transformação:

“...é uma teoria que já não se elabora a partir da histeria e da história, mas a partir da psicose” (p. 43).

A partir disso, o fenômeno da alucinação, visto como uma “falha na historicização primária”, ganha uma importância decisiva, na medida em que, contrariamente à paranoia, irrompe sem Outro:

“A alucinação (...) põe em cena o comportamento não submisso de um elemento que não caiu sob a legalidade da cadeia significante” (p. 44).

Três textos do ensino de Lacan serão importantes no nosso estudo desse curso de Jacques-Alain Miller:

“Resposta ao comentário de Jean Hyppolite”, de 1954

“O tempo lógico e a asserção de certeza antecipada”, de 1945

“O momento de concluir”, seminário de 1977-1978

Até lá,

Romildo do Rêgo Barros